domingo, junho 14, 2009

Balthus-O Rei dos Gatos

Balthus (Balthazar Klossowski de Rola) nasce a 29 de Fevereiro de 1908 e morre em Fevereiro de 2001 pouco antes de completar 93 anos no seu castelo do século XVIII na pequena vila Suíça de Rossiniére perto do elegante resort de Gstaad. Era filho do pintor e historiador de arte Erich Klossowski e da pintora Elizabeth Dorothea Spiro (conhecida por Baladine), irmão do futuro escritor e desenhador Pierre Klossowski. Entre os amigos da família contam-se figuras como Rilke e Pierre Bonnard, e é numa atmosfera voltada para a arte e a cultura que se forma, afastado de uma escolaridade normal, o futuro pintor.
A guerra, que força os Klossowski, imigrantes de origem polaca com nacionalidade alemã, a abandonar a França em 1914, leva a família para Berlim, mas ao fim de três anos Erich e Baladine separam-se e ela vai com os filhos para a Suíça, onde reencontra Rilke. O poeta vai não só apoiar como inspirar o jovem Balthus, que colherá outras influências artísticas e literárias para a sua obra singular, em contactos com pintores e intelectuais amigos de Rilke e Baladine e viagens entre a Suíça, Alemanha, França e Itália. Nicolas Poussin e Piero della Francesca são dois dos mestres cujas obras estuda e copia pacientemente. A pintura da Renascença vai exercer um fascínio particular em Balthus, que se definirá como pintor convicto do figurativo, admirador dos grandes mestres e cultor do beau métier.
Pinta o seu primeiro quadro, uma paisagem de Muzot (Suíça), aos 15 anos, e faz a sua primeira exposição aos 21 anos em Zurique. A mostra, na Galeria Förter, passa despercebida, mas mas será bem diferente a primeira exposição de Balthus em Paris, para onde vai viver a partir de 1933.Embora não tendo recebido qualquer tipo de formação artística formal, Balthus estudou a fundo os velhos mestres e foi incentivado por artistas como Bonnard e Derain. Passa a ser conhecido a nível internacional por quadros , que possuem uma carga erótica e que nos dão a observar jovens raparigas que dormem, sonham acordadas ou lêem na intimidade de um interior obscurecido.Geralmente os quadros de Balthus mostram-nos uma "lolita" sentada num interior severo e sombrio e a seus pés aparece quase sempre um gato com ar satisfeito.No entanto a imagem não deixa de ser muito perturbadora, talvez devido a certas insinuações eróticas. Balthus conseguiu sempre, como nenhum outro pintor o fez,apreender o carácter inquietante da adolescência, quando a inocência da infância é posta de lado e em seu lugar surgem os instintos sexuais dos adultos. Se fosse vivo, Balthus teria feito em Fevereiro deste ano 100 anos de idade!O pequeno filme que aqui aparece pretende mostrar algumas das obras deste pintor genial.
video

1 comentário:

Maria de Fátima Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.