sábado, abril 30, 2011

Louis Aston Knight

Filho de Daniel Ridgway Knight, Louis Aston Knight cresceu na Europa como auxiliar de seu pai cercado pela arte e música e posteriormente estudou com grandes pintores românticos como Robert-Fleury e Jules Lefebvre. Participou de várias exposições onde ganhou vários prêmios como a medalha de ouro no Salão de Paris por dois anos consecutivos. Era inspirado pelos jardins de Monet e se esforçou até conseguir pintar tão bem a natureza quanto ele. Faleceu em 1948 deixando muitas lindas obras que são um espetáculo de cores e luzes encontradas em paisagens magnificas.Nos slides que se seguem podemos apreciar um pouco a obra deste excepcional pintor francês.

sexta-feira, abril 29, 2011

Lucien Freud - Auto Retrato

O pintor Lucien Freud que por natureza é bastante taciturno, algo mal humorado, que não gosta de publicidade e evita dar entrevistas, odeia que o observem a trabalhar. Este homem, artista excepcional e neto de S.Freud,nascido em Berlim e que emigrou para Londres em 1933 (nacionalizou-se em 1939), gosta de permanecer na sua casa sem ser incomodado.O seu tema central foi sempre a figura humana, mais concretamente , o nu, a aparência desnudada, seja ela feminina ou masculina,nus esses que nos aparecem tal como foram colocados no mundo ou seja com suas qualidades, defeitos e malformações.A maioria dos seus modelos são pessoas do seu ambiente familiar; família, amigos, colegas artistas...Ao pintar, ele acaba por dar conta da textura material dos seus corpos, mostrando-os em toda a sua carnalidade.Tal como o seu avô analisava a psique humana, Lucien analisa a pisque e o mundo materializados nesses corpos e assim procura reproduzi-los o mais directa e simbolicamente possível.Seguindo a grande tradição realista do século XIX, Lucien Freud foi diversas vezes comparado ao seu avô, na medida em que tal como este último psicanalizava os seus doentes num sofá de modo a penetrar a resistência da repressão para conseguir chegar, analiticamente às verdadeiras causas da esfera emocional, também L.Freud procura ler artisticamente nos corpos nus e expostos aquilo que o ser humano é, incluindo nessa leitura o seu próprio corpo, posto que não se coibiu de num estranho quadro,se auto retratar completamente nu segurando na mão esquerda uma paleta e na direita um pincel.Contudo não é este seu auto-retrato que abordo aqui, mas sim um outro em que L.Freud se auto retrata vestido e colocado num ponto de observação em que nos olha de cima para baixo aparecendo retratado através de um espelho.Lucien Freud olha para si ao espelho, parecendo que teve que transferir para os eu próprio acto de reflexão, o seu desconforto em ser observado por todos nós.É por isso que nesta pintar de 1965, intitulada de "Reflexo com duas Crianças", óleo sobre tela e que pode ser observado no Museu Thyssen em Madrid, precisamos de ter em conta o espelho enquanto factor em si próprio.O vidro está inclinado de modo a que chame o olhar do observador de cima para baixo, revelando inversamente o olhar do pintor, dirigido para si próprio em atitude de arrogância e de algum sofrimento, posto que parece sentir-se incomodado por se ver auto retratado numa tal posição.Se virmos bem, todo o fundo é monótono e triste incluindo as duas estranhas crianças.A figura do pintor olha para nós de um modo frio, estéril, nublado.As crianças em segundo plano, num nível diferente de reflexão embora taciturnas e expectantes estão descontraídas enquanto observam todo esse procedimento pictórico criado pelo artista.Elas...limitam-se a observar....e nós seguimos o seu olhar e também observamos....

Museu Virtual

AO CLICAR SOBRE A OBRA DE UM AUTOR SURGEM OUTRAS DE SUA AUTORIA.
APRECIE e DISFRUTE DESTE MAGNÍFICO MUSEU VIRTUAL.
http://www.mystudios.com/artgallery/

quinta-feira, abril 28, 2011

Casamento Real

O casamento de William e Kate, celebrado de forma espetacular e… inimaginável!

terça-feira, abril 26, 2011

John James Audubon-1785/1851

John James Audubon nascido em 26 de Abril de 1785 e falecido a 27 de Janeiro 1851, foi um excelente naturalista americano de origem francesa, especializado na ilustração científica de aves. O seu trabalho mais conhecido, foi a reconhecida obra denominada, "The Birds of America" que alcançou, durante a sua vida imenso sucesso comercial e trouxe-lhe enorme popularidade junto do público. O prestígio científico alcançado pela obra valeu-lhe elogios rasgados dos seus pares e permitiu-lhe tornar-se o segundo americano (depois de Benjamin Franklin) a ser incluído na prestigiada Royal Society Britânica para as ciências.J.James Audubon, ilustrou também outros animais típicos das pradarias e florestas americanas, com um rigor científico quase ímpar.Contudo foram as suas belíssimas ilustrações de Aves da América que ficaram para serem reconhecidas como um trabalho único e quase que invulgar, pelo seu rigor e meticulosidade. O filme que se segue procura ilustrar um pouco o fantástico trabalho de J. Audubon.

Kill Bill - Malagueña Salerosa

sexta-feira, abril 15, 2011

Fra Angelico-Glorificação de Cristo



Este fresco de Fra Angelico, nascido em Florença em 1395 e falecido em Roma em 1455, também chamado de Beato Angelico e um dos mais significativos pintores do período do início do renascimento, encontrasse numa cela do mosteiro de São Marco.É testemunho da espiritualidade de Fra Angelico bem como da luminosidade da sua pintura. Cristo, após as agruras por que passou, aparece numa mandorla de luz, rodeado de alguns profetas como é o caso de Moisés e Elias e aos assustados e algo descrentes apóstolos.Os seus gestos animados,acabam por dar uma certa vivacidade à rígida estrutura da composição.Nos seus frescos e painéis, Fra Angelico abraça as novas formas do renascimento, enquanto procura desenvolver um estilo próprio, que é especialmente evidente na natureza fechada das suas figuras, como é o caso da pintura que aqui aparece.Outras obras conhecidas deste pintor são "Virgem e o Menino com os Santos", "Cenas da Vida de Santo Estevão e São Lourenço, e "Cenas da Vida de Cristo", assim como a obra aqui presente, denominada de "Glorificação de Cristo".A maior parte da obra deste artista encontrasse em Florença.

Andrea Montegna-Cristo Morto

Este Cristo Morto, obra famosa e muito original de Andrea Montegna um dos artistas mais influentes do Renascimento (pintor nascido em Pádua e falecido em Mântua em 1506), feita em têmpera sobre tela e que pode ser apreciada na Pinacoteca de Brera em Milão,foi realizada presumidamente para o próprio túmulo do pintor na Capela de San Andrea em Mântua.Até aí nenhum artista tinha conseguido, criar uma profundidade tão grande num espaço tão restrito.A apresentação de Cristo morto também é nova, inovadora até.Vemos as feridas das mãos e pés, o corpo sem vida, com a cabeça virada para o lado e a lividez da pele, dão à morte um carácter definitivo. As expressões das mulheres que o choram revelam total desespero e sofrimento, posto que a esperança esvaiu-se a muito.Uma obra, triste e singular.Uma grande obra.

Giovanni Antonio Bazzie Hans Menling-Descida da Cruz


Nesta primeira obra,os tecidos esvoaçantes de cor laranja, vermelha, verde e azul, dão vibração a esta cena da deposição do corpo de Cristo.A obra de Giovanni Bazzi, também conhecido por Sodoma, caracteriza-se por belas cores, subtis efeitos de luz e um sentimento poético em relação às paisagens.Pensa-se que o fundo deste quadro foi inspirado por pintores flamengos como Jan van Eyck, apesar de muitos artistas italianos, incluindo Leonardo da Vinci, terem também usado paisagens como fundo.As obras do renascentismo com esta eram muitas vezes executadas por um conjunto de artistas, em oficinas, onde trabalhavam sob as directrizes de um mestre. Este era responsável pela composição e por pintar os elementos-chave do quadro, enquanto os assistentes completavam o fundo e as figuras secundárias.Apesar do esforço dessa equipa, a obra seria considerada um produto feito pela mão do mestre.Nascido na Lombardia,Sodoma trabalhou em Siena e em Roma, onde sempre teve importantes encomendas de várias famílias abastadas.Giovanni Anronio Brazzi, Sodoma, nasceu em 1477 em Vercelli e morreu em Siena em 1549.Esta sua obra "Descida da Cruz", foi realizada na sua oficina por volta de 1505/10, é óleo sobre madeira, tem 414x264cm e pode ser apreciada na Pinacoteca Nacional de Siena.

Aqui, nesta obra de Hans Menling, vemos que o pintor procurou de uma forma extraordinariamente simples, retratar este emocionante momento da história cristã que é a deposição de Cristo após a sua crucificação.Hans Menling, reduziu tudo a uma cena em que três homens suportam o corpo de Cristo, a que acresce um vislumbre da escada encostada à cruz.As figuras estão concentradas no primeiro plano da pintura, enquanto a paisagem por detrás é uma parte da composição, visível mas não proeminente.Hans Menling nasceu na Alemanha, mas viveu a maior parte do tempo em Bruges, onde se tornou o pintor mias importante da sua época. O seu estilo foi influenciado por Hugo van der Goes, tendo muitas vezes imitado as suas composições.No entanto, as versões de Menling não apresentam a tensão dramática daquele artista mais velho.Talvez tenha sido esta falta de artifício que tornou Menling uma figura tão acessível e popular na história da arte. Os seus rostos muito realistas, cores luminosas e composições simples,mas confiantes, relembram os elementos existentes na pintura holandesa.Hans Menling nasceu em 1433 e morreu em Bruges em 1494.Esta sua obra denominada de "Deposição da Cruz", foi realizada por volta de 1480/90, é óleo sobre tela, tem 53,7x38cm e pode ser vista na Capela Real em Granada.

quinta-feira, abril 14, 2011

Jacopo Bassano-Crucificação


Jacopo Bassano,pintor italiano nasceu em Bassano em 1517 e morreu na mesma cidadezinha em 1592.O seu verdadeiro nome era Giacomo da Ponte e foi um dos mais destacados artistas do final da renascença.Este pintor nasceu numa família de artistas. De início estudou com o seu pai, o pintor Francesco Bassano, o Velho, e posteriormente com Bonifazio Veronese, em Veneza. A partir de 1535, trabalha como pintor independente.Em 1540 instala-se na sua cidade natal, onde passa a dirigir a sua própria oficina.É eleito conselheiro e cônsul em 1549.Bassano demonstra na suas pinturas ter sido influenciado por Ticiano, Tintoretto e pelos pintores maneiristas, entre outros. Desenvolveu uma forma popular de pintura, mas ao mesmo tempo copía métodos artísticos utilizados por outros pintores. As suas pinturas, demonstram contudo uma luminosidade extraordinária, grande exactidão de pormenores e elementos narrativos que acabam por ser muito simples, mas muito eficazes, naquilo que o artista quer mostrar..Entre as suas mais famosas obras, destacam-se "Decapitação de S.João Baptista", "Adoração dos Pastores" "A Última Ceia", "São Valentim e Santa Luzia" e a obra que aqui aparece, "Crucificação".Esta obra, realizada por Bassano em 1562 e que pode ser vista no Museu Cívico na cidade italiana de Treviso, é um óleo sobre tela, e nela Bassano consegue captar de uma forma muito dramática a crucificação de Cristo.O espírito opressivo desta cena impressiona-nos imenso, quanto mais não seja porque Bassano, não se coibiu de mostrar as chagas de Cristo escorrendo sangue, estando a figura do mesmo contra a luz vibrante e cintilante do céu cheio de nuvens.É nesse cenário que aparece um Cristo crucificado, claro e brilhante no seu sofrimento. As cores intensas e o sofrimento das figuras a sues pés aumentam a tensão dramática desta pintura. Uma obra impressionante.

quarta-feira, abril 13, 2011

Luca Signorelli-A Flagelação de Cristo e Desenhos a Giz







Um Cristo muito amargurado, paciente e cabisbaixo encontrasse amarrado a uma coluna no centro do quadro. Vai começar a ser flagelado por ordem de Pôncio Pilatos, que não acredita que ele seja filho de Deus.Os relevos escultórios em segundo plano, o capitel coríntio da coluna e o friso decorativo no primeiro plano do quadro reflectem o interesse renascentista pelos motivos da Antiguidade Clássica. A luz forte, oblíqua, e as sombras projectadas no chão ajudam a definir o espaço tridimensional da cena. As coxas musculadas das personagens e a composição fortemente simétrica são características do estilo de pintura do pintor italiano Luca Signorelli, que foi grandemente influenciado por Pierro della Francesca, seu mestre.Os seus belos desenhos a giz negro de corpos em movimento(alguns aparecem aqui representados) representam os estudos do nu mais rigoroso (e muito bonitos) que se fizeram até Miguel Ângelo.Luca Signorelli nasceu em Cortona em 1450 e morreu na mesma cidade em 1523.Esta obra foi realizada por volta de 1490, é óleo sobre madeira, tem 85,5x62cm e pode ser vista na Pinoteca de Brera em Milão.

A Última Ceia

"A Última Ceia" sempre foi muito apelativa ao longo dos séculos para vários artistas plásticos. Nos evangelhos, A Última Ceia, também apelidada de "Ceia do Senhor" ou "Ceia Mística", foi a última refeição compartilhada por Jesus com os doze apóstolos antes de Sua morte e ressurreição. A Última Ceia tem sido objecto de várias pinturas, sendo a mais famosa o fresco de Leonardo da Vinci em Milão (do qual já falei aqui num post anterior), pintada em 1498. Durante a Última Ceia, e em referência específica ao tomar o pão e o vinho, Jesus teria dito aos seus discípulos, "Façam isso em memória de mim", (1 Coríntios 11:23–26). Outros eventos e diálogos foram gravados nos Evangelhos Sinópticos e no de São João. Todas as igrejas cristãs interpretam o descrito como a instituição da Eucaristia. O vaso que era usado para servir o vinho ficou conhecido também como o "Cálice Sagrado" e tem sido um dos supostos objectos da literatura do "Santo Graal" na mitologia cristã. A Última Ceia ocorreu na véspera da morte de Jesus Cristo. O Novo Testamento narra que Jesus pegou no pão em suas mãos, deu graças e terá dito aos Seus discípulos: "Este é o meu corpo que será entregue a vós". Do mesmo modo, ao fim da ceia, Ele pegou o cálice em suas mãos, levantou ao alto e disse aos seus discípulos: "este é o meu sangue, o sangue da vida que será derramado por vós." Também, e ainda em acordo com os Evangelhos canónicos, durante a refeição, Jesus terá dito que um dos seus Apóstolos iria traí-lo e que este seria Judas, precisamente no momento em que este se aproxima de Jesus e dá-lhe um beijo na face. Apesar das afirmações de cada apóstolo dizendo que não seria um deles, Jesus é descrito como tendo reiterando que seria uma das pessoas que estavam presentes, e prolonga-se a dizer "Ai do que trair o Filho do homem! Seria melhor para ele se não tivesse sido nascido" (Marcos 14:20-21). Contudo,só no Evangelho de Mateus , e no Evangelho de João, Judas Iscariotes é especificamente apontado, como sendo o traidor. A Ultima Ceia ou Santa Ceia, talvez pelo simbolismo nela presente e pela carga dramática que a mesma transporta, foi representada ao longo dos tempo , com já disse anteriormente, por inúmeros artista,s tais como Leonardo da Vinci, Andrea del Castagno, Tintoretto, (a obra que aqui aparece é precisamente a de Tintoretto), Rubens, El Greco, Joos van Cleve, Jacopo Bassano, Dieric Bouts, Fra Angelico, William Blake, Edward Burne-Jones, Andrea del Sarto, Duccio di Buoninsegna, Domenico Ghirlandaio, Giotto di Bondone, Salvador Dali, Albrecht Dürer, Franciabigio, Hans Holbein, Francisco Henriques, Joos van Wassenhove, Pietro Lorenzetti, Jörg Ratgeb, Tilman Riemenschneider, Cosimo Rosselli, Rafael, Raffaello Sanzio, Sassetta, Jaume Serra, Luca Signorelli, Tintoretto, Ticiano, Joos van Wassenhove, Simon Vouet, Benjamin West , entre muitos outros.O filme que aqui aprece, procura precisamente mostrar algumas dessas obras magníficas e que perdurarão ao longo dos tempo e continuarão sempre a suscitar grande curiosidade.

segunda-feira, abril 11, 2011

Adriaen van Ostade-Interior com Camponeses

Num interior abarrotado de objectos, uma mãe e um filho estão sentados junto à janela, enquanto, ao fundo, três homens com aspecto pobre e rude bebem e parece conversarem ruidosamente.A família, é, nitidamente bastante pobre, facto realçado pelas conchas de mexilhões e cascas de ovos espalhados pelo chão sujo e desmenzelado.Outros objectos da cena, como a roca de fiar e a dobadoura de lã, representam não o entretenimento de antepassados ricos mas sim instrumentos de trabalho árduo dos pobres. A recusa que o bebé faz à comida que a mãe lhe dá pode querer referir alguma mensagem moral do género:("A pobreza acontece àqueles que recusam o que lhes é oferecido"), embora o tom geral desta pintura seja mais decorativo do que moralizante.Adrien Ostade,(1610/1685) foi um artista holandes bastante prolífico e que se especializou em pintar cenas da vida doméstica/quotidiana.Nos trabalhos posteriores (que poderão ser apreciados no fimezinho que aqui aparece), a sua paleta deixou de ser tão escura e triste, ganhando vivacidade e colorido. Os seus camponeses passaram a ser melhor comportados (e mais abastados) e os interiores das casas bem mais asseados. Esta obra intitulada de "Interior com Camponeses", foi realizada em 1663, é óleo sobre madeira, tem 34x40 cm e faz parte do Wallace Collection, Londres.

domingo, abril 10, 2011

Sincronização Perfeita

Simplesmente perfeita, a actuação desta equipa japonesa de ginástica sincronizada!

sábado, abril 09, 2011

Philippe de Champaigne-A Última Ceia



Cristo anuncia aos Apóstolos que em breve um deles o irá trair. A cena está envolta em mistério.A única luz é a que desce da janela e mal ilumina a parede do fundo, o que contribui para fazer realçar as figuras e aumentar a sensação de drama e tensão.Enquanto Cristo consagra o pão, os Ápostolos mostram em silêncio os seus sentimentos. As cores ricas das vestes e as dobras rítmicas e onduladas da toalha da mesa levam os nossos olhos a percorrer todo o quadro. Philippe de Champaigne, não pintou cenas dramáticas como os seus contemporâneos do Barroco italiano mas as emoções dignas e contidas de personagens como podemos ver em ambas as obras que aqui surgem. Champaigne foi também um pintor que sempre e ao longo da sua obra demonstrou uma grande riqueza e força artística. De origem flamenga (nasceu em Bruxelas em 1602 e faleceu em Paris em 1674), Champaigne naturalizou-se francês, tendo vindo a tornar-se retratista da corte francesa no reinado de Luís XIII.Um dos seus quadros mais célebres é um magnífico e austero retrato de tamanho natural do Cardeal Richelieu (1637) que também aqui aparece."A Última Ceia" foi pintada por Philippe de Champaigne em 1652, é óleo sobre tela tem 158x233cm e pode ser vista no Museu do Louvre em Paris.

sexta-feira, abril 08, 2011

Cat-Library

É uma lei da natureza: se tiver um gato e uma estante, o gato vai subir à estante. O designer belga Corentin Dombrecht resolveu enfrentar a realidade e desenhou esta original “Cat-Library”, a estante à prova de gatos.

terça-feira, abril 05, 2011

Lucas Cranach, o Velho-Crucificação

Lucas Cranach, o Velho, (1427/1553) foi muito provavelmente ensinado pelo seu pai ,Hans Cranach. De 1500 a 1504, trabalhou em Viena e contactou com os círculos humanistas.A partir de 1505, trabalhou na corte de Wittenberg, onde teve uma grande oficina de pintura, e, a partir de 1519, foi muitas vezes membro do conselho da cidade, acabando até por ser eleito seu presidente..Influenciado pela pintura da região alpina e pelas obras de Albrecht Durer, Cranach em breve desenvolveu um estilo individual de pintura que combinava paisagem e cenas narrativas acabando por constituir um todo muito bonito e romântico. Este conceito foi importante para o desenvolvimento da pintura do Sul da Alemanha e levou-o a ser considerado fundador da escola do Danúbio.Também recebeu inspiração das pinturas italianas e holandesas que viu numa viagem que realizou à Holanda em 1508.Entre as muitas e interessantes obras deste mestre alemão inclui-se a "Crucificação", realizada em 1503, uma obra em óleo sobre madeira e que pode ser apreciada na Pinacoteca de Munique. Nela Cranach o Velho, pinta uma cena da Paixão de Cristo de uma forma muito impressionante e com grande atenção ao pormenor.Ela transmite-nos a sensação de agitação, e isso é visível nos panos que cobrem o baixo ventre de Jesus e nas veste das mulheres que o choram.A colocação das cruzes, inovadora na pintura e invulgar e o ângulo de visão que daí resulta, também contribuem para aumentar o efeito dramático de toda a cena.

Adéle

segunda-feira, abril 04, 2011

Fernand Léger-Os Construtores

A enorme dimensão deste edifício foi astuciosamente representada através da técnica do corte da imagem, em cima e em baixo, de forma a parecer prolongar-se indefinidamente em ambas as direcções.Acentuadas linhas verticais e horizontais demarcam os contornos das formas estruturais contra o céu azul, realizadas em intensas cores primárias, havendo aqui alguma evidência e influência do Cubismo.Os enormes trabalhadores que se assemelham a robôs, movimentando-se sobre as vigas, e as nuvens que passam, contrastam dramaticamente em forma e em cor com o esqueleto metálico do edifício em construção.Tendo estudado e trabalhado num atelier de arquitectura, Fernand Léger, havia ficado fascinado com a tecnologia industrial e com as formas dinâmicas da maquinaria e da construção.Artista multifacetado e fascinantemente imaginativo,trabalhou em muitas área :cerâmica, vitrais, cenários para o ballet e mesmo filmes, inclusive realizou o primeiro filme 'abstracto' utilizando objectos como 'actores'.São da sua autoria os enormes morais do edifício da sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.Fernand Léger nascido em 1881, morreu em 1955 em Gif-sur-Yvette.Esta obra denominada de "Os Construtores", foi realizada em 1950, é óleo sobre tela, tem 299,8x200 cm e pode ser vista no Museu Nacional Fernand Léger em Biot.

Quem sabe...sabe...

Divertido sopt publicitário de venda de carros.

domingo, abril 03, 2011

Com o Chefe não resulta....

Este catálogo mágico faz milagres e transforma tudo aquilo em que toca. Bem.. quase tudo!Anúncio divertido “Capture the Page” da IKEA / Canadá