domingo, outubro 25, 2009

Paul Delvaux-Vénus Dormindo

Um esqueleto e um manequim de costureira guardam o sono de Vénus, numa cidade iluminada pela lua.Deitada de pernas afastadas, Vénus sonha com a sedução da Morte.Talvez seja o combinar da jovem beleza feminina com a morte, do desejo com o horror, que torna este quadro tão perturbador A imagem de marca dos Surrealistas como Delvaux era a representaçao de imagens estranhas, inspiradas pelo sonho e pelo subconsciente.
O percurso artístico de P.Delvaux abarcou o Impressionismo, o Expressionismo e o Surrealismo. Teve grande sucesso nos círculos artísticos do pós guerra, altura em que o Surrealismo estava no seu auge. Tendo visitado a Itália em 1939, Delvaux ficou profundamente impressionado com a arquitectura romana. É também um pintor conhecido pelas suas imagens fantasiosas de belas mulheres, muitas vezes nuas, colocadas em cenários meticulosamente representados.
Paul Delvaux, nasceu em Antheit (Bélgica) em 1897 e morreu em Knokke em 1994.
Esta sua obra intitulada de Vénus Dormindo, foi realizada em 1944, é óleo sobre tela, tem 1.73x1.99cm e pode ser vista no Tate Gallery, Londres.

sábado, outubro 24, 2009

Pura Adrenalina

Para os amantes de desportos radicais, eis a visão de um salto livre em 3D.
Demora um pouco a carregar, mas vale a pena.
Impressionante!
http://www.tubewatcher.tv/198

quarta-feira, outubro 21, 2009

O Dia da Saia

Protagonizado por Isabelle Adjani, o Flme O Dia da Saia é um drama sobre uma professora, Sonia Bergerac, vítima de descontrolo emocional causado pelo stress incutido pela indisciplina dos seus alunos. Um dia descobre na sala de aula uma arma a sair de uma mochila, toma-a e, à falta de melhor solução, usa-a para controlar os alunos e poder tentar dar a matéria. Um drama intenso que nos apresenta um rol de problemas habituais nas escolas francesas, mas também nas portuguesas, como indisciplina, abusos sexuais, racismo e até violência para com os docentes.
Um filme que aborda de uma forma provocativa, de tão realista, os problemas que os professores enfrentam no seu dia-a-dia na formação das nossas gerações futuras.
Isabelle Adjani já foi nomeada duas vezes para o Óscar de Melhor Actriz da Academia de Hollywood e premiada quatro vezes com o César, o mais importante troféu do cinema europeu. O Dia da Saia marca o regresso da actriz francesa ao grande ecrã, depois de um longo período de afastamento. Isabelle Adjani regressa como protagonista, com uma performance que a crítica já considerou uma das suas mais impressionantes de sempre
.

Clica no Gatinho!

Belo trabalho de Jaquie Lawson.
É só clicar no gatinho e quando abrir, clique no pincel.

http://www.jacquielawson.com/viewcard.asp?code=1560479383964&source=jl999

terça-feira, outubro 20, 2009

Sapatos ...no mínimo muito Originais!































































Figuras Históricas

À medida que vamos passando com o cursor do rato pelas figuras e fizermos click, recebemos mais informação sobre cada uma dessas mesmas figuras. Isto pode manter-nos ocupados por algumas horas.
Para quem tenha tempo não há nada como experimentar!
http://cliptank.com/PeopleofInfluencePainting.htm

domingo, outubro 18, 2009

Viver em Solidão

O porquê da Solidão, o medo/receio da Solidão , a alegria pela Solidão e o facto de haver seres humanos que a apreciam mais do que outros, pode ser tema, e o é, de inúmeras teses acadêmicas, ensaios médicos, artigos jornalisticos, crónicas femininas, tertúlias televisivas,romances, etc.
Procurando num velho Dicionário, pelo significado da palavra solidão, eis que encontro o seguinte:
"Estado do que está só; lugar ermo deserto; retiro".
Faço a ligação de todos esses termos e verifico então que aquele que está só é como um lugar ermo, retira-se para si, e muitos vezes também para os outros.Vou mais longe e passo a considerar a solidão como algo que nos interioriza de tal modo que havendo tanta gente que vive na solidão ela talvez não seja mais do que um mal necessário na sociedade em que vivemos.Mas cada perguntar:
Porque "optamos" por viver sós?Ou, porque estamos sós?O que faz com que nós seres humanos e gregários por natureza, vivamos em solidão?
Vivemos sós por múltiplos factores.Pode ser por escolha pessoal, circunstâncias da vida, pode ser por algo que nos seja intrínseco (quase um factor genético), pode ser por abandono/desistência daquele/a com quem vivíamos, pode ser por escolha temporária, pode ser por escolha definitiva...O que é certo é que estudos recentes evidenciam que num futuro não muito longínquo, parte dos seres humanos estarão a viver sós e que essa solidão pode ser vivida, num estado de solidão pura, em que o indivíduo vive isolado de pessoas dentro de um espaço fisico habitacional, ou vivendo rodeado de pessoas, encontra-se num estado de solidão permanente.
Este último aspecto, interessa a sociólogos, psicólogos,e a todos aqueles que estudam este tema, porque aqui a solidão é por vezes dramática, o indivíduo vive acompanhado, mas esse estar rodeado de gente não lhe diz nada, ou essas pessoas não lhe dizem nada, ele vive para si e por si, sentindo-se permanentemente distante daqueles que o rodeiam.Os factores, para esse sentir-se só, rodeado de pessoas pode ser explicado pela própria sociedade consumista e individualista em que vivemos, por factores psicológico-depressivos, de auto-estima,etc, em que o indivíduo por mais que se esforce (ou talvez não), não consegue socializar-se.
Mas,se equacionarmos bem as coisas, viver em solidão pode não ser assim tão dramático como à primeira vista pode parecer, até porque tem certas, talvez mesmo, um cem número de vantagens.
Desde que não nos tornemos seres isolados do convívio dos outros, egoístas, egocêntricos e que constantemente pensamos que o nosso umbigo é, ou pode vir a ser o centro do universo,a solidão abre-nos um vasto campo de possibilidades, e proporciona-nos uma liberdade de movimentos que viver acompanhado pode por vezes limitar-nos/constrangir-nos. Traz também a possibilidade de nos dedicarmos a nós, àquilo que queremos da vida, e as escolhas são feitas, tendo um pano de fundo bem mais vasto do que se estivermos acompanhados.No fundo, acabamos por ser cidadãos do mundo e se tivermos possibilidade monetária e psicológica essa solidão permite-nos viajar por esse mesmo mundo sem grandes constrangimentos .No nosso quotidiano estamos rodeados de gente uma parte do dia, mas depois isolamo-nos, introspeccionamo-nos,e verificamos que o silêncio que cai sobre nós no recesso do nosso lar nao é assim tão desagradável, e é até muitas vezes, muito bem vindo!
Desvantagens?Algumas, como tudo na vida, mas mesmo assim....uhhh....procuremos ultrapassá-las!

Sabedoria dos Artistas

"A criação prossegue incessantemente por meio do homem. Mas o homem não cria, descobre".
Antoni Gaudi
"Um artista não é pago pelo seu trabalho, mas pela sua visão".
J.McNeill Whistler
"Leva muito tempo tornarmo-nos jovens".
Pablo Picasso
"Pobre é o discípulo que não excede o seu mestre".
Leonardo da Vinci
"Sonha como se vivesses para sempre.Vive como se fosses morrer hoje".
James Dean
"Dominar um assunto e percebê-lo bem dá-nos, ao mesmo tempo a perspectiva e a compreensão de muitas coisas".
Vincente Van Gogh
"Dizem sempre que o tempo muda as coisas, mas na realidade somos nós próprios que tem de as mudar".
Andy Warhol
"Senhor, faz com que eu possa desejar mais do que posso alcançar".
Michelangelo
"Aqueles que não querem imitar coisa nenhuma, produzem coisa nenhuma".
Salvador Dalí
"Aos 5 anos queria ser pintora e sabia que o seria. Não era especialmente dotada.Era obstinada".
Vieira da Silva

quinta-feira, outubro 15, 2009

Escadas Piano

Escadas Piano: A Teoria do Divertido
A forma mais fácil de mudar o comportamento das pessoas, é tornar divertido o que têm que fazer quotidianamente, como é o caso de subirem e descerem escadas do Metropolitano. Muito Bonito e Divertido!
video

sábado, outubro 10, 2009

Georges Seraut-Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte

Neste belíssimo quadro G.Seraut pintou um típico domingo à tarde na Grande Jatte, um sítio muito popular numa illha do Rio Sena, a noroeste de Paris. Visitou a Grande Jatte diariamente durante seis meses, para fazer os esboços preparatórios da paisagem e das numerosas figuras, como é o caso da mulher com anquinhas à moda e da mãe acompanhada pela criança, antes de pintar este quadro, minuciosamene preparado no seu estúdio.Quando inicialmente o quadro foi exposto, foi recebido com grande indignação, pela maioria dos artistas e críticos.
Qual o motivo de tanta celeuma?
Reprovavam veementemente a técnica revolucionária de G.Seraut, conhecida como "Pontilhismo".
De facto, a superfície do quadro é dominada por pontos de cor pura. Quando visto à distância, os pontos parecem fundir-se, criando um bonito e espantoso halo de cor brilhante.
G.Seraut, nascido em Paris em 1856 morreu de uma grave infecção aos 32 anos na cidade de Paris em 1891.
Esta tela intitulada Domingo à Tarde na Ilha da Grande Jatte, foi realizada em 1884/6, é óleo sobre tela, tem 202x300 cm e pode ser vista no Art Institute of Chicago, em Chicago.

sexta-feira, outubro 09, 2009

Site Muito Útil!

Aqui vai o endereço de uma página muito completa e que dará jeito para todas as pessoas, pois pode-se saber chegadas de aviões, ler os jornais, aceder aos sites dos bancos, das operadoras móveis, aos horários dos comboios, aos números do euro milhões, das farmácias de serviço um sem número de coisas. Serve assim como índice de sites a um sem número de utilidades.Vale a pena consultá-lo!
http://www.indeks.pt/

segunda-feira, outubro 05, 2009

Tristeza, um Sentimento Necessário

"Deixa lá esta cara!Estás triste porquê?Não tens motivos para isso..."
Quantas vezes reagimos asssim quando alguém está simplesmente triste, como se essa emoção não fosse natural? E nós próprios?Quantos vezes nos permitimos ter momentos de introspecção,melancolia, tristeza? O normal é dizermos logo que não é normal e corrermos para o Centro Comercial mais próximo ( ou para o médico!). Mas será a tristeza assim tão má para nós? E será esta alegria que todos parecemos fazer questão de sentir realmente verdadeira?
"Actualmente as pessoas experimentam uma felicidade que não é real: é distracção, é um gozo passageiro e um hedonismo de superfície. Quase diria que se consomem drogas de vários tipos: não só substâncias como fármacos e álcool, mas espetáculos, concertos, discotecas, compras, que só servem para nos alienar dos problemas". Estas palavras são do psicólogo Vítor Rodrigues e serve de alerta:
"As emoções básicas do ser humano são a tristeza, alegria, aversão, medo, ira e espanto. Se sobreviveram desde a Pré-História até agora é porque têm as suas funções. A tristeza tem a sua função, até porque encontramos pessoas que são tristes, mas também criativas, sendo que o momento criativo alia sofrimento e alegria, um pouco como as dores de parto. Não será esse impulso criativo uma função da tristeza?"
Qual é então a função da tristeza?
"Puxa-nos para dentro e interioriza-nos, enquanto a alegria nos leva para fora e conduz à acção."
Por isso mesmo, os momentos de tristeza são muitas vezes momentos de paragem para deitarmos contas à vida, para pararmos e nos aprofundarmos. Há uma função essencial associada à tristeza.
"A ânsia de felicidade pode ser encarada como fuga ao confronto interior: há muitas pessoas que fogem a esse confronto como o demónio da cruz, até porque, ao fazê-lo, encontram dores e problemas a resolver."
Mas vale a pena incorrermos nesse confronto connosco próprios? Para o psicólogo, a resposta é clara:
"Muitas vezes a recompensa pode ser muito grande, pois a mudança está do lado dessa interiorização. Da mesma maneira como há emoções que parecem estar mais ligadas à resposta rápida ligada à sobrevivência e à acção, como a aversão, o medo e a ira, há emoções que parecem aglutinadas a uma certa paragem para aprender, como é o caso da tristeza, que se torna criativa e nos ajuda a crescer. Do mesmo modo que a alegria nos acelera, a tristeza trava-nos e mergulha-nos na direcção do interior. Por isso a tristeza não só não é negativa em si, como é extremamente necessária e produtiva.Não podemos prescindir de estar tristes. Em termos psicológicos, ela é uma fonte de mudança, de criatividade e de autoconsciência."
Por Sofia Martinho

Las Meninas - Diogo Velásquez

Las Meninas (obra de Diogo Velásquez e que se encontra no Museu do Prado em Madrid) é talvez das suas obras a mais conhecida.Desde Lucas Jordan que a considerou uma "teologia da pintura", até Pablo Picasso que executou uma série de estudos destas figuras (Museu Picasso/Barcelona) esta obra interessou profundamente os artistas, que vêem nela o apogeu da pintura de Velásquez, a essência do seu pensamento pictórico.
Em Las Meninas, a cena é aparentemente fortuita: é o momento em que a encantadora infanta Margarida, com a petulância da sua condição principesca e dos seus 5 anos de idade, irrompe no estúdio de Velásquez no Alcázar quando este se encontrava a pintar um retrato dos régios esposos, cujas faces se reflectem no espelho colocado na parede do fundo. Acampanham a princesa alguns personagens da sua pequena corte: as duas damas de honor, Maria Agoostina Samiento e Isabel de Velasco, em virtude dos quais o quadro recebeu a sua designação, por serem as donzelas, aias ou "Meninas" (nome de origem portuguesa) da infanta; uma anã, Mari-Barbola, um anão Pertusato, e um canzarrão. Em segundo plano, na penumbra, distinguem-se os vultos de outros servidores do Paço, destacando-se na porta a silhueta do apresentador Nieto Velásquez, talvez parente afastado do pintor. Nessa mesma parede estão dois grandes quadros, quase às escuras, cópias de um Rubens, Minerva e Aracne, e de um Jordaens, Apolo e Pã, duas fábulas mitológicas de sentido idêntico, porque nelas se afirma a superioridade da arte sobre meros ofícios artesanais. Sublinhemos que Velásquez se auto-retrata fora da composição como se estivesse a imaginá-la no desenho interno da sua mente e antes de aplicar o pincel à tela, pôs em relevo o valor simbólico de uma obra que até há pouco tempo foi considerada como um caso extremo de realismo.
Conta-se que o crítico e poeta francês Theo Cautier, ao entrar na sala do Prado onde tinham exposto Las Meninas, exclamou:
"Mas...onde está o quadro?"
Com efeito esta obra de Velásquez confunde-se com a realidade graças ao espaço aberto do lado do contemplador (nós), a quem só faltaria que o espelho do fundo reflectisse as nossas feiçoes, em vez de as de Filipe e Mariana.
De facto uma obra fantástica, a ser vista e revista continuamente!
Diogo de Silva y Velásquez nasceu em Sevilha em 1590 e morreu em Madrid em 1660.Esta obra intitulada Las Meninas, foi realizada em 1656, é óleo sobre tela, tem 3.18x2.76 e encontra-se no Museu do Prado em Madrid.

Tsunami

No fatídico 11 de Setembro de 2001, perderam a vida 2819 pessoas .
Em 2005, o Tsunami ceifou 280.000 vidas… !
“O nosso planeta é muito poderoso” é a mensagem dramática deste anúncio controverso que a DDB Brasil criou para o World Wildlife Fund (WWF).
A campanha (com o vídeo “Aviões” e “Tsunami”) foi muito mal recebida pela sociedade norte americana, que a considerou ofensiva e incorrecta, tendo levado o WWF e a DDB a optar pelo seu cancelamento.
No entanto esta campanha não deixa de ser um aviso sério ao problema do Aquecimento Global.