domingo, abril 26, 2015

Acordar Lento

Sou de acordar cedo e ficar logo desperta. Que me lembre nunca sai da cama e fiquei a andar pela casa feita um zombie. Quando me levanto o meu relógio biológico como que entra no ritmo stand up and go. Também não sou de ficar com aquele aspecto de quem saiu da cama e está com vontade de se meter lá outra vez. Levanto e pronto, estou desperta para o dia. Devido a isso faz-me imensa confusão e até alguma perplexidade que o meu homem leve perto de uma hora a ficar desperto. Sai da cama e rola autenticamente pela casa como um morto/vivo, sem saber onde está e com um humor desgraçado. Não tem apetite, não fala e fica para ali sem saber bem onde está. O ritmo matinal dele é tão lento que quando viajamos e temos que nos levantar muito cedo, e caso a viagem seja de avião, mal entra no dito cujo e aperta o cinto,  adormece imediatamente! Chega a ser uma coisa digna de uma foto e qualquer dia tiro mesmo uma. Adormece de tal maneira que até ressona e o avião ainda nem rolou na pista.
Quando a viagem é de carro, sou eu que tenho eu guiar os primeiros quilómetros e ele adormece quase em seguida. Quando é de comboio o procedimento é igual ao do avião.
Questionado sobre isso ele disse-me que sempre foi assim desde pequeno e que era um suplicio ter de ter aulas logo pela manhã. Lembro-me de uma viagem que fizemos à Tunísia com um casal amigo e o modo como ele dormia no carro alugado enquanto eu  e o outro casal íamos conversando na longa estrada do deserto. Todo esse sono era por conta de ter tido de se levantar por volta das 7 horas! Ele praticamente desde o hotel até ao carro mal tinha aberto os olhos. Nós os três ríamos  do modo como ele dormia placidamente enquanto nós apreciávamos  a bonita paisagem  e tagarelávamos alto sem que nada o acordasse.
 Como professora que sou, deixei de ser tão severa com os alunos que nas aulas da manhã estão como que catatónicos. Percebi que há pessoas com um lento ritmo matinal e que as primeiras horas da manhã são autênticos suplícios, pois  o corpo recusa-se a acordar e a mente como que fica embotada para a vida. Já tive alunos que no fim da aula me vinham dizer que ficavam impressionados com a genica que eu demonstrava ter em horas tão escandalosamente cedo para  o ritmo deles. Mas, e há sempre um mas, quebro com muita facilidade à noite. Não sou de noitadas. Chega uma determinada hora e como que morro para a vida. Tenho que me deitar e dormir. Sou um pouco como as galinhas. Não me importo nada de me deitar cedo.
O nosso organismo é um mecanismo complexo e cada dia se descobre mais e mais sobre ele. Penso que os seus segredos nunca serão completamente revelados e para mim ainda bem, pois a tendência que  o ser humano tem para imitar o criador levaria-o a mexer com coisas que a meu ver não devem ser mexidas.
 Somos seres biologicamente muito bem feitos e se não fossem as terríveis doenças que a ciência não consegue debelar e os múltiplos defeitos que fazem parte do nosso ADN seríamos máquinas magnificas.
P.S.Qualquer semelhança com a realidade vivida é pura coincidência!

sexta-feira, abril 24, 2015

Guerra por um Trono


Esta quinta temporada de uma das minhas séries preferidas ( as outras são The Affair e Walking Dead) começou muito morninha. Até estou a estranhar esta calmaria toda. Tirando os ameaçadores dragões e a ameaçadora dragona que é a Cercei Lennister, que são sempre assustadores, está-me cá a parecer que esta bonanza não vai durar muito mais tempo. Não tarda nada a coisa muda e matam um personagem  de que ninguém estava a espera.
Eu cá  só espero é que não toquem no meu anão preferido o soberbo Tyrion Lannister e no meu querido Jon Snow !
 

quinta-feira, abril 23, 2015

Shoen Uemura


Shoen Uemura é uma  pintora japonesa nascida em 23 de Abril de 1875 e falecida em 27 de Agosto de 1949. O Google recorda-a hoje merecidamente pois a mesma foi uma  pintora fantástica.
Adoro o seu estilo e traço muito delicado e pormenorizado. As muitas rapariguinhas e mulheres japonesas  pintadas por Ueruma são sempre delicadas e etéreas.
  Lindo!

 
 

segunda-feira, abril 20, 2015

Idiossincrasias de um week end

Grant Wood-Gótico Americano
Ao Jantar de Sábado
 
Ele: Olhá lá, há muito tempo que não como daqueles maravilhosos hambúrgueres no pão do...Está-me  cá a apetecer um desses e se  visse um à frente marchava logo!
Ela: Podemos lá ir hoje...
Ele: Hoje não vai dar jeito, tenho dois documentos para fazer e tenho-o que os enviar ainda esta noite!
Ela diz que vai num instante ao supermercado...mas o que faz é ir buscar o jantar. Traz um hambúrguer simples para ela acompanhado de salada e para ele um hambúrguer no pão com batata frita e arroz, pois é disso que ele gosta e ela sabe que o dito marchará em três tempo!
 Chega a casa com o saco e ele delira com a surpresa.
O homem come tudo, mas tudinho mesmo e no fim diz:
Tenho de parar de comer hambúrguer no pão. Engorda muito!
Ela: Mas tu há um par de horas disseste que é o mais querias!!! E não estás nada gordo!
Ele: Estou gordo sim...e reitero que não quero mais comer disso no pão, nunca mais! Aliás nem sei bem de onde me veio essa ideia de jantar carne, pois o que eu gosto mesmo é de jantar peixe!
 
Ao pequeno almoço de Domingo
 
Ela: Que queres para pequeno almoço?
Ele: Nem sei...estou ainda azamboado de sono.
Passa meia hora e ele a andar pela casa feito uma barata tonta e ela quieta a ler uma revista, pois já tomou o pequeno almoço e só quer é relaxar.
Ele: Fazes-me um sumo D.Tox, daqueles que fazes tão bem?
Ela levantasse e vai a cozinha fazer o dito sumo. Procura por ele e ele enviou-se outra vez na cama porque diz que ainda não está bem acordado mas fica contente de a ver de copo e jarro de sumo na mão.
Ele: Hãaaa é o que me apetece.
Ela entrega-lhe o copo com o sumo D.Tox que até está mesmo muito bom, pois ela provou.
Ele: Mas o que é isso. Está super grosso. Deitas-te toda as beterrabas que havia no frigorifico?
Ela:Não, só deitei 3 pedacitos, o resto é banana, maça, e tomate.
Ele: Não gosto disso assim...está muito grosso. Não gosto.
Ela deixa o jarro na cozinha e vai ler a revista outra vez.
Ele aparece perto dela de copo na mão e continua a dizer que está grosso e que não gosta assim..
Ela: Deita água, fica mais fino.
Ele: Mas perde qualidades, fica aguado!
Ela: Então bebe assim...
Ele: Não gosto assim...Vou guardar no frigorifico, pode ser que logo me apeteça.
Ela: Ah...logo está ainda mais grosso, pois vai assentando...
Ele: Logo se verá.....
Durante a manhã foi bebendo todo o sumo que estava muito grosso ....
 
Ao almoço de Domingo
 
Na cozinha. Ele resolve fazer o almoço. Legumes e salmão grelhado. Ele é que vai cozer os ditos e grelhar o peixe.
Ela põe a mesa e repara que os legumes estão super cozidos e o grelhador está quase a pegar fogo a casa de tão quente que está. Resolve não falar dos legumes e opinar sobre a chapa de grelhar que está no lume há 10 minutos.
Ela: Olha que o grelhador está já quente..
Ele: Não está não, o peixe quer um grelhador muito quente, senão pega!
Atira para lá agua e apesar da agua desaparecer instantaneamente continua a dizer que o grelhador ainda não está quente. Ela abre a janela, pois teme que a cozinha pegue fogo. Avisa-o novamente sobre o grelhador e ele diz que não está ainda pronto a receber o peixe. Ela deixa de se incomodar e senta-se a petiscar, mas já temendo pela sua vida.
Ele resolve colocar o peixe. Ele agarra-se instantaneamente ao grelhador pois foi tirado co congelador há 15 minutos!
Ele: Tanto insististe que coloquei o peixe e afinal a chapa ainda não estava suficientemente quente, e olha para isto, tudo pegado.
Ela: Está pegado porque o peixe estava congelado e não colocaste um pouco de gordura na chapa!
Ele: Não, está assim porque a chapa não estava ainda quente.
Ela: Mais quente e era capaz de saltar do fogão e sair porta fora...
Ele: Hã...que engraçada...Não sabes grelhar peixe nem conheces a sua ciência...há ciência por detrás de um grelhado....
Ela: Pois, eu é mais comê-lo....
 
Ao jantar de Domingo
 
Ele: Que tal irmos comer um hambúrguer ao...o que comi ontem não me satisfez!
Ela: What F....
P.S.Qualquer semelhança com a realidade vivida é pura coincidência!





sexta-feira, abril 10, 2015

Porque sou um Homem...

video
Um belíssimo filme italiano contra a violência doméstica e sobretudo uma lição de educação cívica que deve começar a  ser feita desde muito cedo.

quarta-feira, abril 01, 2015

Leviatã

Leviatã é uma figura mítica. Há diversas interpretações  da mesma. Monstro marítimo que atormentava os navegadores (associados a baleias gigantes), o monstro mais poderoso dos mares. Está também conotado com o símbolo da mais pura inveja que o homem é capaz de sentir. 
Vai ser pois esta figura mitológica que dará nome ao recente filme do realizador russo Andrey Zvyagintsev, um filme majestoso, triste, terrível, angustiante, claustrofóbico e que fez com que ganhasse o Golden Globes para Melhor Filme EstrangeiroMelhor Argumento no Festival de Cannes, Leão de Ouro na edição de 2014 do Festival de Cinema de Veneza e Nomeação para Melhor Filme Estrangeiro no ultimo Óscar e que só não ganhou porque estava lá outra obra portentosa que é o Ida.
Ver este Leviatã é entrar no mundo da mais pura ganância, maldade, corrupção, inveja, engano e morte. É um mundo assustador este que o realizador nos dá de uma Rússia na mais acelarada das transformações e que com isso tritura os mais fracos e indefesos neste caso na figura de Kolya a personagem principal interpretada magistralmente pelo actor Aleksey Serebryakov que vivendo numa pequena cidade o Mar de Barents, norte da Rússia, muito próxima do circulo  polar Ártico vê toda a sua vida ser modificada pela corrupção e ganância de gente poderosa que acolhida no seio da igreja ortodoxa não olha a meios para alcançar os seus fins. É também um filme profundamente metafórico, posto que o que ali vemos é  que Kolya nada mais é do que o símbolo de uma velha Rússia que está paulatinamente a desaparecer. Ele procura  acerrimamente guardar as memórias dos seus antepassados configurados na robusta casa de madeira que o mesmo habita com a mulher e o filho, casa esta  implantada na paisagem, como que fazendo parte da mesma e cuja destruição levará para sempre  memórias que nunca mais voltarão.  Para que isso não aconteça Kolya  vai lutar, sabendo no fundo de si que é uma luta inglória. Daí o desespero e o afogar do mesmo em toneladas de vodca! Aliás, a vodca corre livremente, e estes homens e mulheres endurecidos  e desesperançados da vida   refugiam-se nela e no tabaco, como se de ambos viesse a salvação de todos as suas misérias físicas e morais.
Coadjuvado por este portento de interpretação que é a actriz Elena Liadova e pelo jovem actor Serguei Pokhodaev este Leviatã é um acontecimento cinematográfico ímpar.
Ver estes homens que passam os dias e as horas a beber vodca, como os corredores bebem água numa maratona e ver como o Estado e a Igreja são capazes dos actos mais bárbaros camuflados na palavra do Senhor e numa pseudo verdade ético-moral  é sentir que de facto o ser humano é o predador mais terrível a face do planeta. 
Tal com escreveu Peter Bradshaw no Jornal The Guardian, 'Leviatã é um drama trágico, convincente na sua seriedade moral, com uma gravidade e uma força que se transformam numa terrível e aniquiladora  forma de grandeza'.
Um filme imperdível.