segunda-feira, fevereiro 28, 2011

Oscares 2011

Cá vai a lista do melhor filme, actores principais e secundários, som, argumento,guarda roupa, montagem, filme de animação,documentário, e tutti quanti.O meu filme preferido "A Origem" lá ganhou 4 estatuetas, todas nas categorias técnicas.Não é mau, e estava mesmo à espera que o Melhor Som só poderia ir para este extraordinário filme de C.Nolam.O grande derrotado da noite foi "True Grit" dos irmãos Coen e a"A Rede Social".Quanto a "True Grit" tenho pena acho que não merecia tamanho desprezo por parte da Academia, até porque o filme é MUITO BOM, muito bom mesmo!Lembro-me de o ir ver num sábado a uma sessão das 14.15 minutos, a sala estar cheia e quando o filme terminou verifiquei pelos rostos dos presentes que estavam satisfeitos por terem assistido ao filme. O filme é um trabalho típico dos irmãos Coen, alguma violência,um bom argumento, bons diálogos, uma fotografia lindíssima e actores excepcionais.Tiro o chapéu à actriz Hailee Steinfeld, um nome a fixar, e como já aqui escrevi num post anterior, se esta garota não se deixar levar por papéis fáceis, dentro de alguns anos terá um Óscar nas mãos, porque ela é de facto o grande locomotiv deste filme.Vê-la representar é sentir que alguém está ali porque gosta e porque dá tudo o que tem e o que não tem. J.Bridges seguríssimo como sempre e Matt Damon num arrogante 'ranger' do Texas quase que irreconhecível!Foi azar este "True Grit", ter tido como principal concorrente "Discurso do Rei",(na minha modesta opinião não é filme para tantos Oscares e tanto alarido), mas como também já aqui tinha sido salientado por mim 'os desígnios dos membros da Academia são de facto quase que insondáveis'!Quanto à "Rede Social", teve os Óscares que merecia e nas categorias certas...e mais não seria desejável!
Melhor Filme do Ano: O Discurso do Rei (The King's Speech): Iain Canning, Emile Sherman, Gareth Unwin
Melhor Actor :Colin Firth em O Discurso do Rei
Melhor Actriz :Natalie Portman em Cisne Negro
Melhor actor num papel Secundário :Christian Bale em The Fighter - Último Round
Melhor actriz num papel Secundário :Melissa Leo em The Fighter - Último Round
Melhor Realizador :Tom Hooper em O Discurso do Rei
Melhor Argumento Original :O Discurso do Rei: David Seidler
Melhor argumento Adaptado :A Rede Social: Aaron Sorkin
Melhor Filme de Animação :Toy Story 3: Lee Unkrich
Melhor Filme em Lingua não Inglesa :Hævnen : Susanne Bier (Dinamarca)
Melhor Montagem :A Rede Social: Kirk Baxter, Angus Wall
Melhor Direcção Artística :Alice no País das Maravilhas: Robert Stromberg, Karen O'Hara
Melhor Guarda-Roupa :Alice no País das Maravilhas: Colleen Atwood
Melhor Mquilhagem :O Lobisomem: Rick Baker, Dave Elsey
Melhor Música Original :A Rede Social: Trent Reznor, Atticus Ross
Melhor Canção Original
:Toy Story 3: Randy Newman ("We Belong Together")
Melhor Documentário:Inside Job-Charles Ferguson
Melhor Fotografia: A Origem-Wally Pfister
Melhor Som : A Origem: Lora Hirschberg, Gary Rizzo, Ed Novick
Melhor Montagem Sonora :A Origem: Richard King
Melhores Efeitos Visuais :A Origem: Chris Corbould, Andrew Lockley, Pete Bebb

Wonderful World

Lindo!

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Somewhere - Algures

Gosto da realizadora Sofia Copolla, gostei muito do seu filme 'Marie Antoinette' e o anterior o 'Lost in Translation'.Por isso foi com natural expectativa que fui hoje ver o seu último filme denominado de 'Somewhere', filme que fez dela vencedora do Leão de Ouro da 67ª Mostra Internacional de Arte Cinematográfica de Veneza,na categoria de Realizadores emergentes.Ora, o que eu não contava foi ter uma tão grande decepção!A minha decepção traduziu-se num quase abandono da sala e não o fiz por fui tomada de curiosidade mórbida tentando saber como ela iria sair do imbróglio em que se tinha metido e que é palpável no meio do filme quando nos começamos a aperceber que aquela personagem, Johnny Marco, está completamente à deriva e essa deriva não emerge do papel que tem que representar, mas sim, porque a própria realizadora não sabe como desatar aquele nó.Que Sofia Copolla sempre nos habituou a uma fotografia muito bonita isso não é surpresa para todos os que gostam dos filmes dela, mas penso que isso não basta para fazer um filme, e de facto naquelas duas horas que ali estamos, sentimos que é uma total perda de tempo, que aquilo tudo já foi feito por outros realizadores, que aquelas personagens nada nos têm a dizer, que aqueles lugares são completamente vazios de conteúdos e que nem o próprio hotel onde todo o filme se desenrola(tirando as cenas em que o personagem e filha estão em Itália, cenas essas que também não sabemos para que servem, uma vez que a entrega daquele prémio não é explorado de forma a apercebermo-nos da grandeza daquele actor) é aproveitado, como espaço de tão conhecidos escândalos, bebedeiras, drogas e onde alguns artistas escolheram como lugar para porem termo à vida ou pelo menos tentarem.Esse Chateau Marmont, hotel icónico, mítico até,transformasse na mão da realizadora num espaço quase claustrofóbico e acaba quase por se tornar para nós espectadores, um lugar maldito e enjoativo até à náusea.Nada se passa neste filme porque simplesmente... nada se passa naqueles lugares, naquelas ruas, naquelas longas estradas,naquele carro,naqueles quarto de hotel e se há coisa que a realizadora não nos enganou foi no título que deu aos seu filme.De facto 'Algures'no tempo que vai pasando, pensamos que alguma coisa vai acontecer aquele homem àquela sua filha, (quase tão perdida como ele...e a cena da crise de choro é exemplo disso mesmo), enfim, que algo irá acontecer aqueles parcos personagens que por lá andam... vagueando sem que saibamos para quê e para onde.As poucas cenas iluminadas, são as da personagem cleo, magnificamente representada por Elle Flanning, que com a sua candura e inocência acaba por dar algum alento ao filme.Este Somewhere, acaba por ser um retrato não de uma América sem rumo, não de actores que atingem uma fama desmesurada e caem num vazio quase sem retorno, (vide o fim do filme) mas sim um retrato da própria realizadora, que penso estar a atravessar alguma crise existencial reflectida em pleno neste seu último filme.Já li que a crítica se dividiu em classificar e julgar este Somewhere e o caso não é para menos.Estamos num campo cinematográfico hibrído em que não sabemos para que lado pende a realizadora, se para contar o que é o mundo de Hollywood ou se para nos mostrar uma América triste acabrunhada, virada para o seu umbigo e que se está nas tintas para tudo o resto.Se tivesse que classificar este filme de um a cinco daria dois pontos, um pela fotografia e outro pela representação de Stefen Dorff e Elle Flanning.Benicio del Toro aparece nos créditos, mas pelo que me foi dado a ver a única cena em que surge é no elevador e para dizer uma frase, não percebendo-se bem para que foi ele ali posto!Personagens desnorteadas e sem rumo, algum sexo, danças do varão, quartos de hotel, alguma paranóia, fãs deslumbradas, festas sem qualquer sentido e...mais nada!Pouco para tão boa realizadora e que espero vir a emendar a mão num futuro que espero muito próximo.Que volte a Sofia Copolla do 'Marie Antoinette'. Eu te perdoarei tudo!

Um Dia Feito de Vidro

O vidro no coração da nossa vida. Uma curiosa visão do futuro que nos espera????

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

Jean Baptiste Siméon Chardin-A Jovem Mestra

Se repararmos bem neste quadro o tema é de uma simplicidade e candura impressionantes.Uma jovem mulher ensina uma criança a ler.Pintado com grande honestidade, num estilo simples e directo tão ao estilo de Jean Chardin, sentimos que o artista transmite-nos os laços sentimentais que unem as duas figuras. O fundo não é representado com grandes pormenores, mas as pinceladas espessas, embora cuidadosamente aplicadas, conferem profundidade e muita solidez à obra.É uma obra silenciosa, calma, cândida, semelhante na sua intemporalidade às obras de Jan Vermeer.Jean B.S.Chardin foi um proeminente pintor do género que aqui se apresenta e também de naturezas mortas, na França do século XVIII.As suas composições simples e destituídas de sentimentalismos são ricas em sensibilidade.Com a sua calma e equilibrada gama de cores, elas corporizam uma apurada análise e compreensão da forma.No século XX, a obra de Chardin alcançou de novo a popularidade, devido à sua natureza quase abstracta.É para muitos, o maior pintor de naturezas mortas do seu tempo.Este pintor nasceu em Paris em 1699 e morreu na mesma cidade em 1779.Esta obra denominada de "A Jovem Mestra", foi realizada em 1736/7, é óleo sobre tela, tem 62x66 cm e pode ser vista na National Gallery em Londres.O filmezinho que aqui aparece procura mostrar um pouco mais da obra deste pintor francês.
video

Hitler Chateado com Festival da Canção e Homens da Luta

Vejam aqui como Hitler ficou furioso quando soube que os Homens Da Luta ganharam o Festival da Canção 2011 e que vão representar Portugal na Eurovisão na Alemanha.Hilariante!

David Wilkie-A Carta de Apresentação

Um jovem rapaz acaba de entregar uma carta de apresentação a um senhor mais velho, que o olha com manifesta desconfiança, sendo também esta a atitude assumida pelo pequeno cão que se encontra entre ambos. Este quadro muito estranho e subtil na sua concepção, apela à nossa emoção ao contrapor a candura do jovem e humilde camponês ao olhar desconfiado do velho, numa atitude céptica, associada talvez a uma vida passada numa cidade corrupta e desconfiada. David Wilkie especializou-se na pintura de cenas domésticas muito moralizadoras e sempre muito apeladoras ao oral e aos bons costumes e muito ao estilo de pintores holandeses do século XVII como, por exemplo, Adrian Van Ostade (que um dia destes falarei aqui) e de Gerard Borch.Muitas das obras de Wilkie encontram paralelismo na poesia de Sir Walter Scott, que nas suas obras retratavam literáriamente as cenas da vida doméstica e apelando sempre subtilmente a uma moralização dos costumes sociais. David Wilkie era filho de um sacerdote desta cidade escocesa de Fife.Talvez o maior elogio lhe tenha sido feito por Turner, que pintou a obra "Enterro no Mar" para exprimir o seu desgosto quando soube da morte de David Wilkie durante uma viagem marítima.Sir David Wilkie nasceu em Fife em 1785 e morreu no num naufrágio ao largo de Malta em 1841.Esta obra que aqui aparece, denomina-se de "A Carta de Apresentação", é óleo sobre tela, tem 61x50cm e pode ser apreciada no National Gallery of Scotland, em Edimburgo.

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

Por vezes estamos tão focalizados na Pintura Ocidental, que nos esquecemos o quanto a Arte Oriental é Bonita, bonita mesmo....Este slide vem-nos mostrar um pouco do que se faz magistosamente por terras do oriente.Lindo!

Tendências Primavera/Verão 2011

































































































































































































Podemos dar aqui uma olhadela às principais tendências da próxima Primavera/Verão. No que respeita aos vestidos há-os bem curtos e também os bem longos.Flores e ramagens fazem a sua aparição em grande.Assim prevê-se que os tecidos muito floridos e levezinhos vieram para ficar. Também os padrões de riscas de inspiração marítima são uma tendência muito em voga.As malas e acessórios, uma delícia...Muito coloridas as malas tanto podem ser em pele como em macramé, em ráfia, em corda em plástico ou tecido.Ao ombro ou com pegas curtas são muito coloridas e muito glamorosas as que possuem estampas de fotos de actrizes.A aposta em sacos de pano colorido e bordado também está em alta e se forem daqueles pequeninas de pegas curtas...um must!No que respeita aos calçado, brilham as socas em cunha, as sandálias de tiras sempre bastante altas, assim como brilham os ténis coloridos e as sabrinas.Botas altas e abertas à frente também são chiquérrimas.Os colares são muito compridos, brilhando motivos como corações, borboletas ,flores etc.Pulseiras, bem largas em metal e madeira. Anéis bem grandes.Para os cabelos, brilham o uso de bandeletes muito coloridas e pequenas tiaras em cristais swarovski. O que interessa é colocar coisinhas que brilham nos cabelos, fica uma delícia.E viva o Verão…

Bom Spot Publicitário

Um carro feito de açúcar, farinha, bolos, framboesa e com um motor de 8 litros a…mel!Este é o automóvel mais doce do mundo…

terça-feira, fevereiro 22, 2011

Colecção Outono/Inverno-011/012

No arranque das tendências Outono/Inverno 2011/12 Nova Iorque anuncia, em primeira mão, as grandes linhas para a estação do frio. Costureiros internacionais com novos talentos novaiorquinos misturam-se numa mescla perfeita para todos os gostos. Ou não tivéssemos Hollywood mesmo ali ao lado… Desfilaram Oscar de la Renta,Michael Kors,Narciso Rodriguez,Marc Jacobs,Star Raw,Diane von Furstenberg, entre outros tantos estilistas. Tudo muito levezinho, muitas peles sintéticas, muito vermelho e cinza e onde o étnico aparece em grande. No que respeita ao calçado vamos continuar com tacões bem altos.
















































Biblioteca Mundial da ONU

Esta Biblioteca Virtual, reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de todos os tempos e explica em sete idiomas as jóias e relíquias culturais de todas as bibliotecas do planeta.O acesso é gratuito e os usuários podem ingressar directamente pela Web , sem necessidade de se registarem. Permite ao internauta orientar a sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição. O sistema propõe as explicações em sete idiomas (árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português), embora os originas existam na sua língua original. Desse modo, é possível, por exemplo, estudar em detalhe o Evangelho de São Mateus traduzido em aleutiano pelo missionário russo Ioann Veniamiov, em 1840. Com um simples clique, podem-se passar as páginas de um livro, aproximar ou afastar os textos e movê-los em todos os sentidos. A excelente definição das imagens permite uma leitura cómoda e minuciosa.
Entre as jóias que contem no momento a BDM está a Declaração de Independência dos Estados Unidos, assim como as Constituições de numerosos países; um texto japonês do século XVI considerado a primeira impressão da história; o jornal de um estudioso veneziano que acompanhou Fernão de Magalhães na sua viagem ao redor do mundo; o original das "Fábulas" de Lafontaine, o primeiro livro publicado nas Filipinas em espanhol e tagalog, a Bíblia de Gutemberg, e umas pinturas rupestres africanas que datam de 8.000 A.C. Duas regiões do mundo estão particularmente bem representadas: América Latina e Médio Oriente. Isso deve-se à activa participação da Biblioteca Nacional do Brasil, à biblioteca de Alexandria no Egipto e à Universidade Rei Abdulá da Arábia Saudita. A estrutura da BDM foi decalcada do projecto de digitalização da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, que começou em 1991 e actualmente contém 11 milhões de documentos em linha. Os seus responsáveis afirmam que a BDM está sobretudo destinada a investigadores, professores e alunos. Mas a importância que reveste esse sítio vai muito além da incitação ao estudo das novas gerações que vivem num mundo audio-visual. Basta então clicar em:
http://www.wdl.org/

segunda-feira, fevereiro 21, 2011

Who's Inside My Baby

Um pouquinho assustador, este short-movie "Who's Inside My Baby, de Mark Jackson...De facto as aparências iludem bem!Assustador no mínimo...

Hailee Steinfeld




Hailee Steinfel é a revelação do momento no mundo cinematográfico. Esta jovem de 14 anos nomeada ao Óscar de Melhor Actriz Secundária pelo seu filme de estreia na longa-metragem True Grit,«Indomável», consegue a proeza de que cada vez que aparece, roubar as cenas a J.Bridges e Matt Damon.Apesar de ser a personagem principal de «Indomável», o facto do filme marcar a estreia de Hailee Steinfeld no cinema de longa-metragem permitiu ao estúdio propô-la ao Óscar de Melhor Actriz Secundária, em que teria mais probabilidade de ser aceite do que na categoria principal. O esquema resultou,e Hailee Steinfeld, de 14 anos, é a mais jovem nomeada ao Óscar de 2011 e uma das mais novas de sempre. No novo filme dos irmãos Joel e Ethan Coen, adaptado do romance «True Grit», de Charles Portis, Hailee interpreta Mattie Ross, uma jovem de 14 anos que contrata um marshall alcoólico (Jeff Bridges) para ir atrás do assassino do seu pai.Vejamos um excerto de uma entrevista sua. «Eu cheguei mesmo no final do processo de audições. Fiz a audição na primeira semana de Janeiro de 2010, e duas semanas depois chamaram-me para ler com a Ellen Shanoweth, que fez o casting do filme. Disseram-nos que ouviríamos alguma coisa daí a um mês e cinco semanas depois eu fui chamada para ler para os irmãos Coen. Durante essas cinco semanas eu ainda estava a trabalhar no material, mesmo sem saber se ia ser chamada ou não, para estar 100% preparada caso isso acontecesse. Depois de ter lido com o Jeff Bridges, o Barry Pepper e o Dakin Matthews, que interpreta o Stonehill, li para os irmãos Coen. Essa foi a minha última audição e foi num Sábado. Disseram-me que tinha ficado com o papel na terça-feira e partimos duas semanas depois para rodar o filme.» Um nome a reter, porque se esta jovem não se perder em papeis menores, decididamente temos uma actriz de futuro.

Pensamentos e Árvore

"Tememos as coisas na medida em que as ignoramos".Tito Lívio

"As ideologias separam-nos.Os sonhos e as angústias unem-nos".Ionesco

"Infelizmente uma superabundância de sonhos é compensada por um crescente potencial de pesadelos".Peter Ustinov

"Não há caça como a caça ao homem, e os que caçaram homens armados durante muito tempo e gostaram, nunca mais se interessarão por mais nada".Hemingway


"A lágrima mais amarga derramada nas sepulturas é pelas palavras que não se disseram e pelas acções que não se fizeram".Harriet B.Stowe

"O mal não tem nada de espectacular e é sempre humano.Partilha constantemente a nossa cama e a nossa mesa".W.H.Holden

"A pergunta que à vezes me deixa confuso é saber se sou eu que sou doido...ou os outros!".A.Einstein

"Uma crença não é só uma ideia que a mente possui...é uma ideia que possui a mente".Robert O.Bolt

"Uma tragédia não precisa de sangue nem de morte.Basta que esteja repleta daquela majestosa tristeza que é o prazer da tragédia". Jean Racine

"Um homem saudável não tortura os outros.Normalmente é o torturado que se torna torturador". Carl Yong

"Uma família é um lugar em que as mentes entram em contacto.Se essas mentes se amarem, o lar será belo como uma flor no jardim.Mas se essas mentes entrarem em desarmonia é como uma tempestade que devasta o jardim".Buda

"A imaginação é mais importante do que o conhecimento. O conhecimento é ilimitado. A imaginação abrange o mundo". Einstein

"Não tentem ser melhor que os vossos contemporâneos ou os vossos antepassados.Tentem ser melhor do que vós próprios". Faulkner

sábado, fevereiro 19, 2011

Boa Publicidade

Constantin Brancusi-1876-1957






















Pioneiro da escultura abstrata, Constantin Brancusi tentou chegar às formas mais despojadas, libertando-se das aparências de superfície para revelar a beleza intrínseca dos próprios materiais utilizados. Constantin Brancusi nasceu em Hobita, Roménia, em 19 de Fevereiro de 1876. Descendente de uma família de camponeses, na infância foi pastor de ovelhas e aprendeu a ler e escrever sozinho. Em contacto com a arte popular romena do entalhe em madeira, estudou na Escola de Artes e Ofícios de Craiova (1894 a 1898) e, graças a uma bolsa, na Escola de Belas-Artes de Bucareste (1898-1902). No segundo trimestre de 1904, após breve permanência em Munique, foi a pé para Paris, onde passou a maior parte da vida. A princípio trabalhou num restaurante e, como cantor, na Igreja Ortodoxa. Até 1907, estudou com Antonin Mercié, escultor académico de tradição florentina. Recusou-se a frequentar o ateliê de Rodin, por desejar romper com o naturalismo. A partir daí, graças sobretudo a suas relações com artistas de vanguarda, como Max Jacob, Apollinaire, Picasso, Léger e Modigliani, Brancusi criou estilo próprio, abandonando o nu e toda a temática romântica. Seu primeiro grande trabalho foi "Le Baiser" (1908; "O Beijo"). Na primeira versão de "La Muse Endormie" (1908; "A Musa Adormecida"), em mármore, os traços fisionômicos apenas sugeridos e o tipo do modelado ainda lembram a escola de Rodin. Já na segunda versão, em pedra (1909), e nas posteriores, em bronze (1910, 1911 e 1912), os volumes já estão reduzidos aos ovóides fundamentais, tornando-se puramente vestigiais as feições remanescentes. O ovo, essência das coisas, aparece com freqüência na obra de Brancusi, como em "Prométhée" (1911; "Prometeu") e "Le Nouveau-Né" (1915; "O Recém-Nascido"). Em 1924 o escultor criou um ovo propriamente dito, de mármore, a que chamou "Le Commencement du Monde" ("O começo do mundo"). Era, disse, "escultura para cegos". A elaboração repetida de um assunto é típica de sua maneira: os "Oiseaux" ("Pássaros") começa com seu "Maiastra", pássaro do folclore romeno, em mármore (1912), hoje no Museu de Arte Moderna de Nova York. O tema progride até chegar à sua 28ª versão (1940), em que o ser mitológico já é apenas "L'Oiseau dans l'Espace" ("O pássaro no espaço"), representações em bronze polido daquilo que Brancusi tentava figurar desde o princípio, a "essência do ovo". Em 1925 o artista enfrentou o governo americano em controvertida disputa judicial, por ter a alfândega dos Estados Unidos procurado impedir a entrada de uma das versões dessa obra. Ignorantes da arte abstracta, os fiscais criaram uma polémica inusitada, insistindo que "L'Oiseau dans l'Espace" não era obra de arte, mas contrabando de bronze. Nesse episódio prevaleceu a lógica e o escultor ganhou a questão, firmando jurisprudência no assunto. Considerado em sua época um "artista difícil", só na maturidade Brancusi conseguiu sucesso de público. Em 1937-1938 compôs um conjunto de esculturas monumentais ao ar livre para a cidade romena de Targu-Jiu, dominado pela "Colonne sans Fin" ("Coluna sem Fim"), em metal dourado e com mais de trinta metros de altura. Abraçando a França como sua segunda pátria, Brancusi morreu em Paris, em 16 de Março de 1957.

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

Cartas de Amor-Fernando Pessoa

"Ophelinha...boquinha doce...bocca doce...meu bébézinho...nininha...minha Íbis", assim escrevia Fernando Pessoa à grande paixão da sua vida, Ofélia Queiroz.É sobejamente conhecido que o poeta reconhecia o ridículo das cartas de amor, mas pelos vistos escrevi-as com grande prazer e com grande conhecimento de causa.Esta obra denominada de "Cartas de Amor" que a editora Átila colocou à venda, mostra-nos textos íntimos do poeta escritos com sensibilidade única e muitos miminhos para a sua namorada e onde a ternura está sempre presente.Invariavelmente as cartas terminam assim:"Beijos, beijinhos, beijicos, beijocas, beijerinzinhos...do teu, sempre e muito teu Fernando".Não é uma delícia?Eu acho que siiiiiimmmm!
Não posso terminar sem vos deixar um dos poemas deste excepcional poeta em que precisamente ele ridiculariza as cartas de amor!
Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

ArCo - Madrid

A Feira de Arte Contemporânea ARCO Madrid 2011 vai reunir entre 16 e 20 de Fevereiro um total de 190 galerias e terá a Rússia como país convidado, além de uma exposição especial sobre o contributo de trinta anos para o setor da arte contemporânea em Espanha. Portugal tem estado presente desde o início do certame internacional com cerca de uma dezena de galerias nacionais que continuam a apostar na apresentação da arte portuguesa em Madrid, como é o caso de Pedro Cera, com galeria em Lisboa. Para o galerista, a ARCO Madrid continua a ser a primeira porta de saída da arte portuguesa para o exterior "porque é uma feira onde tradicionalmente se fazem muitos programas com comissários e diretores de museus", traduzindo-se em oportunidades de visibilidade para os artistas. "Há um lado comercial, mas também de descoberta e contactos, o que faz com que muitos artistas portugueses tenham começado ali a sua carreira internacional", observou, em declarações à agência Lusa. Para o galerista, que procura levar à ARCO todos os anos obra nova dos artistas portugueses com quem trabalha, "em Espanha, há muito interesse na arte portuguesa". "Isso tem uma explicação, e as raízes estão na qualidade dos trabalhos que as galerias portuguesas apresentam. Os colecionadores espanhóis têm muita consideração por essa preocupação de mostrar um nível elevado da criação nacional", sustentou o também ex presidente da direção da Associação Portuguesa de Galerias de Arte (APGA). Este ano, conta levar à ARCO obras dos artistas portugueses Gil Heitor Cortesão, Pedro Barateiro, Ricardo Valentim, André Cepeda e Nuno Cera. Também Manuel Ullisses, galerista da Quadrado Azul (no Porto e Lisboa), vai estar presente pelo décimo terceiro ano na "prestigiada feira internacional", onde tem levado artistas portugueses como hngelo de Sousa, Álvaro Lapa, Fernando Lanhas e José de Guimarães, entre outros. Este ano, levará uma seleção que inclui Artur Barrio, artista português que vive no Rio de Janeiro desde 1955, Francisco Tropa, Hugo Canoilas, João Queiroz, Paulo Nozolino, Pedro Tropa e Thierry Simões, nascido em Paris, mas que reside em Portugal. Francisco Tropa é o artista que vai representar Portugal na 54. Exposição Internacional de Arte -- da Bienal de Veneza, enquanto Artur Barrio fará a representação do Brasil naquele certame internacional. Carlos Urroz, que esteve em janeiro em Lisboa para apresentar em detalhe a programação da ARCO Madrid, disse na altura à Lusa que a dimensão de visitantes portugueses no certame de Madrid ronda anualmente os 15 por cento, "um valor incrível" num universo de cerca de 150 mil visitantes. As outras galerias de Portugal que participam na ARCO são: Carlos Carvalho, Filomena Soares, Galeria 111, Lisboa 20/Miguel Nabinho, Cristina Guerra e Vera Cortês - de Lisboa - Pedro Oliveira, Presença e Nuno Centeno/Reflexus - do Porto - e ainda Fonseca Macedo, de Ponta Delgada. Na totalidade, participam galerias provenientes de mais de trinta países, com pintura, escultura, instalações, fotografia, vídeo, new media, desenho e gravura.

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Museu do Prado


























O Museu do Prado, Madrid, é um dos museus de referência a nível mundial, tendo sido mandado construir por Carlos III.Foi inaugurado a 19 de Novembro de 1819, durante o reinado de Fernando VII, e recebe hoje em dia quase três milhões de visitantes anualmente.A colecção de pintura do Prado é considerada da mais importantes do mundo, exibindo exemplares dos grandes mestres espanhóis, franceses, flamengos, alemães e italianos. Já a colecção de escultura é composta por mais de 220 peças de Antiguidade Clássica, trazidas de Itália entre os secúlos XVI e XIX, bem como por importantes obras renascentistas. Uma outra colecção de relevo é a de desenhos, que conta com quatro mil exemplares, na qual se inclui a maior colecção de desenhos de Francisco Goya, cerca de quinhentos.Entre as obras mais notáveis da colecção do Museu do Prado, destacam-se por exemplo, "O Lavatório" do mestre Tintoretto, o "Jardim das Delícias" de Hieronymus Bosch, "O Trinfo da Morte" de Brueghel,"Auto-Retrato" de Dürer,"O Cavaleiro de Mão ao Peito" de El Greco,"A Adoração dos Reis Magos" de Rubens, "3 de Maio de 1808" de Goya, "Artemísia" de Rembrandt,"As Meninas" de Velásquez, entre muitos outros grandes pintores. Para aceder ao este museu basta clicar em:http://www.museodelprado.es/

terça-feira, fevereiro 15, 2011

True Grit-Indomável

«Indomável» no original True Grit, é o novo filme dos Irmãos Coen, nomeado para 10 Óscares, entre os quais o de Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Actor (para Jeff Bridges) e Melhor Guarda-Roupa. «Indomável» estreia em Portugal a 17 de Fevereiro. A história gira em torno de Mattie Ross, a jovem actriz Hailee Steinfeld (que pelo que se vê neste filme é um nome a ter em atenção) uma jovem de 14 anos cujo pai foi morto a sangue frio pelo cobarde Tom Chaney e que está determinada a levá-lo à justiça. Com a ajuda de um conflituoso e alcoólico U.S. Marshal, Rooster Cogburn,o actor Jeff Bridges, ela prepara-se, ignorando as reservas do próprio Rooster, para caçar Chaney. O sangue do seu pai exige que persiga o criminoso até território Índio e o encontre antes que um Texas Ranger, chamado LaBoeuf, o apanhe e leve de volta para o Texas, para ser julgado pela morte de outro homem. Uma 'cowboyada' das antigas,(um remake do filme "A Velha Raposa", com John Wayne, que precisamente ganhou um Óscar com este seu papel) e que trás a marca inconfundível dos manos Coen, que a exemplo de anos anteriores, cá estão para discutir os Óscares, mas que a meu ver desta vez sairão com as mãos a abanar, a menos que o guarda roupa, leve a melhor sobre "O Discurso do Rei".Acho que muito dificilmente True Grit ganhará o prémio de melhor filme do ano.Pelo que li Jeff Bridges está bem posicionado para um Óscar de actor principal,assim como a jovem actriz Hailee Steinfeld para actriz secundária e considero que ela o deveria ganhar visto que literalmente 'rouba' as cenas a JBridges e Matt Damon com a sua electrizante presença.Penso que dificilmente J.Briges baterá Colin Firth, com o seu papel no Discurso do Rei,(engraçado como no ano passado foi precisamente J.Bridges que 'roubou' o Óscar a C.Firth, estando este último indigitado par actor principal pelo seu papel magistral em "Um Homem Singular!).Contudo os júris da Academia já nos habituaram a valentes surpresas e pode ser que este ano isso aconteça...mas duvido muito.

Apanhando o Comboio em Myanmar

Em Yangon, Myanmar (antiga Birmania), os comboios não param nas estações. O maquinista abranda a composição… e os passageiros saltam para a carruagem. Se não acredita, veja como se faz!

segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Dia de São Valentim







Para celebrar este dia 14 de Fevereiro, dia de São Valentim,data que celebra o Amor, nada melhor que o fazer, através da Arte.Falo-vos hoje aqui de 4 quadros, de quatro pintores que abordaram o tema do Amor(nas suas mais diversas formas) de uma forma sublime,na minha modesta opinião.Vou começar pelo grande pintor inglês Sir Lawrence Alma Tadema e pela sua obra "Uma Saudação Silenciosa".Esta obra de Alma Tadema apresenta como tema uma amorosa cortesia silenciosa.Um jovem soldado irrompe num aposento para entregar um ramo de flores a uma mulher que descansa, adormecida num cadeirão.Ora, o tema desta obra, foi inspirada no poema 'A Visita' do grande poeta alemão Goethe.O artista teve bastante cuidado para que as representações fossem o mais fiel possível às figuras do mundo romano.Por esse motivo o interior do aposento, tanto por uma perspectiva aquitectónica como por todos os pormenores que são representados, mostra o à vontade que Alma Tadema tinha em recrear o verdadeiro modo de vida na época Roma, aliás um tema muito recorrente em quase toda a sua obra.O ramo de rosas, que o jovem soldado depositou no colo da jovem, é praticamente o único vislumbre de cor que o artista se permitiu mostrar.Uma obra muito singela, dentro da complexidade que Alma Tadema sempre empregou na criação das suas personalidades, tanto pelas roupas como pela decoração onde a cena se desenrola, e que aqui não foge à regra.Para mim, esta obra é a personificação do puro amor singelo.
A segunda obra que proponho aqui apreciarmos é do pintor Dante Gabriel Rossetti e denomina-se de "A Amada(A Noiva)".Nesta obra o artista apresenta o momento em que uma jovem mulher retira o véu do rosto, revelando a sua beleza fascinante, quer através do seu olhar que nos fixa e que quase nos paralisa, quer pela serenidade presente no seu semblante. Ela está rodeada por várias pessoas que fazem parte do seu séquito, todas elas de tez mais escura que a sua, estabelecendo-se um contraste evidente. A composição está enquadrada num exotismo exuberante, repleto de flores que conferem ao quadro uma coloração rica e quente. Em primeiro plano vemos um jarro dourado que se encontra entre as mãos de uma criança negra, jarro esse que está repleto de flores de tons rosa e amarelo que surpreende pelos raios de luz que parece emanar dessas mesmas flores.Por sua vez, o séquito da noiva é constituído por jovens de diferentes raças, facto que na altura da apresentação da obra dividiu a crítica, posto que uns interpretava a obra como sendo um hino à diversidade da beleza enquanto outros fizeram uma leitura racista, através da qual a raça branca se erguia como sendo superior às demais. O vestido da noiva é rico em coloração sendo que o fundo do mesmo, a cor verde, quase que domina todo o quadro.É um vestido ricamente decorado assim como a própria noiva, que tem como acessórios diversas jóias, como um anel dourado e duas pulseiras que decoram as mangas verdes do seu vestido de estilo oriental.A sua cabeça também está decorada com uma espécie de tiara de cor vermelha e rosa que acabam por condizer com a cor dos seus carnudos lábios.Todos esses elementos apresentam uma enorme quantidade de motivos florais, em tons diferentes que vão do vermelho ao verde, passando pelo amarelo e o violeta. É uma incrível explosão cromática que faz deste obra uma das mais incríveis realizações deste pintor que com a sua obra "Beata Beatriz",(obra sobre o qual me debruçarei aqui em breve), faz dele um dos meus preferidos pintores italianos.
O terceiro quadro também aborda o amor na sua forma trágica/funesta, e é uma obra de Sir John Everett Millais, artista inglês que não sendo muito conhecido, tem criações de uma beleza e perfeição irresistíveis.A obra chamasse "Ofélia", e nela vemos representada uma personagem extraída da obra 'Hamlet',do dramaturgo inglês Sir W.Shakespeare, que enlouqueceu ao saber que o seu amado Hamlet lhe tinha matado o pai.Millais representa Ofélia no momento em que se está a afogar num rio, enquanto canta, vitimada pela loucura. Para conseguir que a obra fosse o mais realista possível, consta que o artista, que tinha como modelo Elisabeth Siddal , Beth para os amigos, e esposa do seu grande amigo, o pintor italiano Dante Gabriel Rossetti, fé-la introduzir-se numa banheira de água fria, fazendo-a contrair uma uma forte constipação e ganhando a cor pálida e doentia necessária à caracterização da personagem!A figura de Ofélia jaz a flutuar por baixo dos ramos de um salgueiro com os ramos pendentes, rodeada de flores brancas, que aludem à morte, e de violetas, símbolo de fidelidade.O seu rosto, que aparece com os lábios entreabertos, por estar a cantar, reflecte uma paz e uma tranquilidade espantosos, sentimentos que se encontram em absoluta harmonia com a natureza.Assim, Millais, mergulha a sua personagem num mundo em que as flores e a natureza se erigiam como verdadeiras protagonistas das suas obras (vide o exemplo que quadro anterior, o de Rossetti) adquirindo muitas vezes significados alegóricos.É também muito interessante observarmos como que o silêncio que esta obra nos transmite, silêncio esse presente na quietude da figura e da natureza, que acaba por estar em sintonia com a personagem de Ofélia.A beleza e a tristeza desta obra são deveras surpreendentes.
A quarta e última obra que aqui vos mostro é do pintor francês Gustave Courbet, e denomina-se de "Mulher com Papagaio".É uma obra que não representando propriamente o Amor, mostra-nos uma mulher predisposta a amar, expondo o seu corpo em toda a sua sensualidade e carnalidade.Este quadro de Courbet acaba por ser o exemplo muito significativo do realismo provocador muito típico deste artista, um verdadeiro inovador da pintura na sua época.Personalidade muito conflituosa e revolucionária Courbet apresenta-nos aqui o erotismo e a luxúria na sua mais elevada expressão, através de uma mulher que se está a oferecer ao espectador. Nua e numa atitude muito sensual,está a brincar de forma divertida com um papagaio.Nem a sua posição corporal, nem a sua pele extremamente branca e suave, nem os seus cabelos, enredados e soltos sobre a almofada, eram comuns naquela época, e por isso chocaram com os cânones oficiais da pintura.Por essa razão, o quadro foi severamente atacado pelos críticos do Salão de Arte que se realizou em 1866 (data da realização da obra), os quais viram nele uma "terrível falta de gosto do artista", assim como também comentaram que a posição em que a modelo está é bastante "rude".O cabelo foi definido como "desarranjado".É mais que evidente que a crítica achava esta mulher extremamente provocadora e indecorosa e é por isso que eu gosto dela e aproveito para a expor aqui como símbolo do amor na sua mais pura carnalidade.Uma obra magnífica!